Como os robôs do Facebook estão revolucionando a saúde

17 ago

Robos (chatbots) sao uma revolucao na saude

Em abril deste ano, Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, anunciou o lançamento dos ChatBots no Messenger isso significa que uma revolução na  Saúde chegou para milhões de pessoas mundo afora. Conheça o Dr. Facebook e seus robôs

Mas o que são esses ‘Chatbots’ ou ‘Bots’?
Já ouviu o termo Chatbots ou ‘Bots’? Não? Nos últimos anos eles têm dominado seus celulares e computadores e você mesmo já interage com eles há algum tempo. Eles são programas que conseguem imitar conversas simples, mas agora, com o Watson da IBM, também complexas (já viu a propaganda?).

Esses ChatBots (chat, de conversa; e bot de ‘robot’, robô em inglês) simulam conversas idênticas às humanas e já habitam vários serviços, como Skype e Telegram, e acabaram de chegar para os quase 1 bilhão de usuários do Facebook Messenger.

Como esses Chatbots estão sendo usados?

Imagine conversar com alguém por WhatsApp e depois descobrir que estava falando não com uma pessoa, mas com um robô! Não se assuste! Por enquanto a inteligência artificial por trás deles ainda não é tão sofisticada a ponto de  te enganar, sendo possível perceber que se interage com sistemas – similarmente às gravações de quando você liga para o seu banco.

Também conhecidos como assistentes virtuais, os chatbots servem como SAC para empresas, ajudam fazer compras on-line e enviam notícias personalizadas sobre esportes e outros assuntos. Mas suas aplicações já estão indo além.

Um deles, chamado Mitsuku, é um ‘amigo virtual’ com o qual já se pode conversar sobre qualquer tema e receber respostas bastante avançadas para um robô.  Na China, ‘uma’ chatbot chamada Xiaoice tem cerca de 40 milhões de usuários; 10% deles – acredite – ‘a consideram’ suas namoradas. É como se o filme Her (cujo personagem se apaixona pelo assistente pessoal do sistema de seu celular) estivesse acontecendo na vida real.  

Por que Bots agora?

Pesquisas mostram que usuários de smartphones gastam pelo menos 80% do tempo em algum aplicativo de bate-papo, seja WhatsApp, SMS, Facebook Messenger ou outro aplicativo social semelhante. Somos viciados em ‘chats’! Por outro lado, o número de aplicativos que usamos no dia-a-dia são poucos. É por isso que especialistas do Vale do Silício (um dos maiores polos de tecnologia do mundo) têm preferido falar que a ‘Era dos Apps (aplicativos)’ está acabando e agora vamos entrar e viver na ‘Era dos Bots’ (dos robôs).

Com isso, a pergunta será: “Por que baixar um aplicativo novo – que ocupa espaço no celular, etc -, quando você simplesmente pode ter a  mesma informação com um bot na sua lista de contatos?”.

Chatbots: revolução na saúde

Os chatbots já começaram a ser utilizados na área de saúde e com a entrada do Facebook Messenger eles passaram a ter acesso a um número de usuários muito maior, do tamanho dos que usam o MSN, milhões portanto.

Nos EUA, a HealthTap é um exemplo claro de um bot de saúde que mora dentro do Facebook ao qual se pode perguntar sobre várias doenças e ele passa diversas informações relevantes, com respostas de médicos reais sobre o assunto. E, se ainda desejar falar com o médico, após depois da ‘interação virtual’, o bot fará esta conexão.
Um outro chatbot do Facebook, chamado ‘Joy’, foi criado para monitorar saúde mental e ajudar pessoas com depressão e ansiedade. As possibilidades são inúmeras.  

Sem limites

É importante também reconhecer os limites dos chatbots. Eles nunca vão conseguir substituir um profissional de saúde, mas sim, ajudá-los a serem cada vez mais eficientes. Por exemplo, os chatbots conseguem fazer um trabalho de educação e acompanhamento diário que talvez seja difícil para um humano realizar em grande escala.

No Brasil, o chatbot  mais usado é desenvolvido pela Tá.Na.Hora Saúde Digital. A empresa criou vários bots para prevenção e promoção de bem-estar, tudo para também ajudar nesta revolução da saúde. Eles já se comunicam com usuários de todo Brasil, via SMS, principalmente, mas já preveem o lançamento para o o Facebook Messenger em breve. Esses bots estão sendo usados para educar e monitorar tanto pacientes saudáveis quanto crônicos, educar e apoiar gestantes, melhorar a qualidade de vida nas empresas e combater o Zika Vírus e a Dengue.

Sabia que milhares de brasileiros já estão conversando com os chatbots da Tá.Na.Hora? Atuando no setor público, operadoras de saúde, indústrias farmacêuticas e empresas em geral, os bots da Tá.Na.Hora já foram, inclusive, premiados mundialmente, inclusive pelo Google, Grand Challenges Canada e Bill & Melinda Gates Foundation.

Saiba mais sobre a Tá.Na.Hora, clicando aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *