O potencial dos chatbots de saúde: desmistificando esta tecnologia

9 jan

Como adivinhar em quem você está pensando tem a ver com o potencial de Chatbots em saúde?

Uma pessoa está segurando um celular e ao lado há conversa por mensagem de texto em azul com um chatbot da área da saúde.

Por Leandro Racuia *

Os chatbots – robôs que interagem por mensagem de texto e voz com usuários – têm causado grande impacto na nossa percepção de interação com clientes. Será que os bots vão substituir por completo os apps? O que eles prometem em termos de experiência para os clientes? E qual o potencial destes robôs para o setor de saúde?

Os bots têm o objetivo de transformar as interações com os usuários, proporcionando uma jornada mais simples, divertida e conveniente para quem precisa de um serviço/produto. Por parte de quem cria o bot, a ideia por trás do conceito é melhorar a experiência com a interface institucional e principalmente, facilitar a coleta de dados de forma “leve”.

O “gênio da internet” que adivinha em quem você está pensando

Você já conhece o Akinator, o gênio da Internet? Ele adivinha qualquer personagem real ou fictício que você imagina! Os únicos inputs para este bot são resposta de “sim”, “não” e “não tenho certeza” para as perguntas que ele faz.

O gênio da internet Akinator - um jogo online - conseguiu acertar que o personagem a ser adivinhado era o médico Dr. Drauzio Varella.

Retirado de: pt.akinator.com/ – jogo online de adivinhação de personagens.

 

Basicamente ele funciona por uma série de árvores de decisões a partir das suas respostas e descarta possibilidades de personagens que você poderia ter imaginado. Mesmo ele não acertando todas as vezes, ainda é muito interessante. Você pode jogar clicando aqui

O que o Akinator nos diz sobre o uso de bots para saúde? Com interações simples, é possível “conquistar” usuários. O diferencial então está na expertise de como se comunicar com pacientes e como comunicar o que eles precisam quando eles precisam.

Este é o diferencial da TNH (Tá.Na.Hora) no mercado de bots de saúde. A startup tem um time de conteúdo extremamente qualificado não só para a produção de conteúdo de saúde, mas também um time de especialistas para transformá-lo em um conteúdo divertido e humanizado – que eleva muito a taxa de engajamento de pacientes.

Desse modo, a TNH vira uma espécie de “amigo virtual” enviando dicas, mesclando perguntas e monitorando sintomas. Além disso, ao longo do tempo, a empresa aprendeu sobre qual linguagem usar e o que de fato, chamava mais atenção das populações atendidas.

Há uma série de exemplos de chatbots de saúde em diversos canais possíveis (SMS, Facebook Messneger e Webapp) e um convite para conhecer mais sobre a TNH.

Por que seria realmente relevante para o setor de saúde?

Sim, uma ruptura na experiência do paciente. Mas, e os benefícios para quem está usando os bots na saúde? Imagine que o Akinator consegue saber em quem você está pensando com algumas poucas perguntas. E se um robô pudesse perguntar ao seu paciente o que ele está sentindo para prevenir uma situação de risco. Ou então, coletar dados da população para saber qual a principal dor que ela possui.

Vamos supor, por exemplo, que um paciente diabético (tipo 2) não tenha consciência de que feridas nos pés podem ser um sinal evidente de um grande problema e que poderia ser facilmente evitado. Um robô de saúde seria capaz de traçar várias árvores de decisão, assim como o Akinator faz, para identificar que esta é uma pessoa de uma determinada idade, certo perfil alimentar, diabética e que está prestes a ter um evento adverso.

A TNH faz exatamente isso! E este é o potencial por trás da ferramenta: detectar e prevenir situações de risco através do uso de Inteligência artificial. Isso é muito mais barato e cria a base para uma nova forma de se pensar em saúde na qual os pacientes se tornam parte essencial do processo. Tornam-se mais participativos e são incentivados a terem maior qualidade de vida.

Alguns dos benefícios são:

  • Melhor relacionamento com clientes/pacientes;
  • Redução de custos com complicações e eventos adversos;
  • Agregação de valor ao paciente pela percepção de cuidado constante e experiência;
  • Melhor adesão a tratamentos e acompanhamentos

Desta maneira, todos saem ganhando. Hospitais têm a oportunidade de mensurar o desfecho clínico do paciente/ índice de complicações. Operadoras de saúde podem gerenciar melhor o cuidado com pacientes crônicos. O setor público ganha em capilaridade atuando com um robô pelo celular das pessoas – via SMS ou Facebook Messenger.

O impacto dos bots na saúde

Os chatbots hoje ainda estão em um processo de aprendizagem muito grande, principalmente em relação ao processamento de linguagem natural para o português. No entanto, os bots ainda são muito subestimados e este era o propósito do texto. Afinal, eles têm o potencial tanto para transformar a experiência de pacientes quanto radicalizar na gestão de saúde populacional.  

Se a sua organização quer ter uma gestão muito mais eficiente de dados e precisa se reinventar em relação aos custos com saúde, procure a TNH para implementar os chatbots na sua operação. Entre em contato!

* Leandro Racuia é o growth hacker da Tá.Na.Hora Saúde Digital. LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/leandroracuia/.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *